• World´s 7 Wonders

    My 9 year old son just showed me his list for the World´s 7 Wonders and Lolita is one of them!
    How proud do you think I am right now?
    I belive this new generation will save our planet.
    A inocência pura de uma criança de 9 anos que aos poucos deixou de olhar tanto para o seu umbigo.
    Hoje de manhã, quando terminou os trabalhos de casa, decidi escrever-lhe numa folha esta pergunta. A ideia era responder-me com o que ele achava que seriam as 7 maravilhas do Mundo, longe de imaginar que existem “etiquetas” universais para isso.

  • Day 1

    What is the point of being alive if you don´t at least try to do something remarkable?

    This is the question I made to myself when I realize that I was doing the right thing in the wrong way. I always convinced my son that everything is possible, if we try hard with passion for it. But I was doing the opposite.

    This day I decided to prove myself that yes, I can. I am capable. I have value. And I´m worth it. Just like I always say to my boys before kiss them goodnight.

    I will start this journey by doing something remarkable.

    Once I said that my dream is to be alive until Lolita the Orca is free in the wild again. I also explained to my oldest son that any individual can do something big with his own tools, hoping to give him the courage to make his own way in the future.

    I will prove to my son that everyone in Portugal will know about Lolita. And I will do this with my shoes.

    #savelolita

     

  • That´s Me!

    Nasci a 18 de junho de 1979 em S. João da Madeira, cidade onde vivi e estudei até aos 16 anos.
    A minha família sempre esteve ligada à Industria do Calçado e por isso eu já nasci “calçada”. Não me lembro de pensar em outro curso ou carreira que não fosse design. Não sei porquê, nem nunca fui influenciada. Apenas sei que só era capaz de seguir uma profissão de paixão e que consistisse sempre na realização de projetos com princípio, meio e fim. Sou uma pessoa que só inicio um projeto se souber que consigo atingir o objetivo final. Caso contrário nem me atrevo. E se não conseguir chegar ao fim, sinto-me frustrada e parto logo para outro projeto! Mas dedico-me sempre de coração e gosto de colocar um pouco de mim em tudo o que faço.
    Para poder seguir design ainda no liceu, fui estudar para Matosinhos na Escola Secundária Augusto Gomes. Foi aí que começou a minha verdadeira paixão pela criação, fosse ela qual fosse. Também foi nesta escola que conheci alguns dos meus melhores amigos que fazem parte da minha vida hoje.
    Em 1997 entrei para o curso de Design de Interiores da Escola Superior de Arte e Design em Matosinhos, apesar desse curso não ser a minha primeira opção. Na faculdade a matéria que mais amei foi a Psicologia e Perceção da Cor. Sou apaixonada por cores e pela forma como nos influenciam. Apesar de não ter sido uma aluna excelente, os professores diziam que eu era muito criativa. Se calhar demais! Sonhava muito.
    Também em 1997 descobri que tinha jeito para dançar e comecei a procurar formação nesse sentido. Aprendi vários estilos de dança e comecei a dar aulas também. Ensinar é uma das minhas valências e gostaria de voltar a exercer esta atividade.Durante o percurso da dança/faculdade senti dificuldade em encontrar sapatos de dança especiais (porque tudo tem de ser especial para mim). Quase sempre vinham do estrangeiro por encomenda e eram iguais aos de toda a gente. E como eu gosto de tudo ao pormenor, toca a inventar mais uma vez, não fosse eu natural da cidade do calçado!Comecei a criar uma coleção de sapatos de dança com conforto e design. Demorei mais de um ano para conseguir ter o sapato ideal com o salto correto, os tecidos mais bonitos e resistentes e o forro tecnicamente higiénico, etc. Tenho pena de não ter o primeiro sapato que fiz… o meu cão comeu-o! Não tenho o sapato, mas tenho uma história para contar. Depois tive os segundos, terceiros, quartos, etc. Sapatos de dança de todas as cores e feitios. As minhas colegas da dança adoraram e interessaram-se em ter os meus sapatos. Ainda bem! Registamos uma marca de sapatos de dança e começamos a comercializa-los desde então. Em 2002 comecei a trabalhar na nossa empresa familiar de calçado enquanto fazia os exames para terminar o curso. A loucura pelos sapatos fez-me chegar até aqui.Terminei o curso, com a vocação de criar, formar e crescer em várias áreas. Comecei pelo design, e mais tarde passei também a exercer funções de Relações Publicas e Marketing na empresa. “Tenho jeito”, dizem-me. O marketing é uma área que me fascina porque permite comunicar, promover ideias, vender produtos e conhecer pessoas. Gosto de cativar os clientes, não só pelo produto que produzimos e vendemos, mas também pela forma como nos relacionamos.Criei a minha própria marca “Patricia Correia” para poder desenvolver sapatos à minha imagem. São as minhas asas quando preciso de voar.

    Sou metódica e organizada. Gosto de ter tudo rigorosamente orientado e adoro implementar os mesmos métodos nas pessoas que se relacionam ou trabalham diretamente comigo. O trabalho em equipa é uma prioridade, e preocupo-me sempre em incentivar os meus colaboradores para que sejam orgulhosos e ambiciosos no seu trabalho, como eu sou.

    Recentemente, decidi promover um “estilo de vida” na empresa, criando a possibilidade de fazer sapatos de luxo, ecológicos e amigos dos animais, isto é, feitos com materiais sintéticos. Este novo projeto é mais um reflexo daquilo que sou e como vivo. Tenho o meu cão que me inspira todos os dias a ser mais consciente mesmo na área profissional, que nos exige sempre atingir um maior volume de vendas. É um orgulho enorme saber que existem muitas pessoas que pensam como eu e que querem comprar calçado em versão vegan.

    E foi aqui que me encontrei, e onde sinto orgulho e paixão pelo meu trabalho. A partir de hoje, sou designer mas de sapatos sintéticos de luxo.

    Decidi ir mais longe. Vou construir um negócio de sucesso, mas que também possa mudar o mundo!